quarta-feira, 8 de junho de 2011

Camelô!

  Poesia escrita na mesa de um buteco sujo em um antigo bairro de Goiânia,feita por mim e um trabalhador de rua, que não me lembro o nome graças a amnésia alcoólica. Resolvi batizar o poema com o nome de sua profissão, como um pedido de perdão pela GAFE.

                                           CAMELÔ!

                                      A galera curte e dá risada
                                     Mas não conhece a minha morada

                                       Sou contra a correta ortografia
                                       Conheço a minha poesia
                                       Sei da minha própria quebrada
                                       Que é da maloca, mas não é CARIOCA
                                       Mas mesmo assim, BRASILEIRA
                                       Com um SAMBA-SERTANEJO-URBANO
                                        Cantando a vida comum.

                         
                                      ''Pra'' sustentar a boca
                                       Que não é a tua
                                       Mas a boca de outros filhos
                                       Vou te dar a maior
                                       O maior respeito!

                                      Hey,''pra nois'' todo mundo é louco
                                      ESCRITORES,todo mundo é louco!
                                      Isso você vê até na mente de um ser humano,
                                      E ser humano não conhece a verdade!

                                      As minhas poesias eu não falo'' pra'' você!
                                     Mas ainda tenho um sonho de viver diferente!

                                     Eu tenho composto,
                                     Não tenho imposto!


             

3 comentários: